Pular para o conteúdo principal

A CRIANÇA EM MIM...


Há um grito por esperança,
Um grito por socorro,
Em mim há uma criança
Que não queria nascer de novo.

Um gemido que não pára,
Minha alma está ferida,
Tenho uma cicatriz que não sara,
É uma rua sem saída.

Vejo a vida da janela
Com tanta morte e desilusão,
Ela já não é mais tão bela,
Já não há paz para o coração.

Eu queria mais amor
Para toda essa gente,
Um mundo sem mágoas, sem dor
Que tudo fosse diferente.

Há tanta violência,
Tanto sofrimento,
Tanta indecência,
Há tantos sonhos jogados ao vento.

O desprezo é realidade,
É a verdade, cruel e vil,
Vejo crescer a impunidade,
Deus tenha dó deste Brasil.

Há uma criança em mim,
Que quer acreditar,
Que o choro vai ter fim,
E que o mundo vai mudar,
Não dá mais para viver assim,
Ainda quero poder sonhar...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

P.S.: Esta poesia me fez ganhar em 2º lugar em um concurso de poesias a nível nacional em 2008, perdendo apenas para o Distrito Federal

"O texto é um monólogo que expressa uma crítica e um projeto, um desejo de mudança. Por não haver mais artistas que falem do belo, do amor, do carinho, do humano, Oziel perde em força expressiva, mas logo é compensado pelo tom sacrificial que aplica a si mesmo, com o qual dialoga, como se fosse seu duplo. Levando em consideração a idissincrasia do autor, digo que estamos diante de um belo texto. A conexão das frases refletem um encadeamneto simbólico lógico: "que não queria nascer de novo". O melhor seria conversar com o autor e com ele trocar ideias. Assim, descobriria outras metáforas guardadas no seu inconsciente. O texto, enfim, é um desabafo. Um grito. Um lamento. O grande complicador é a postura do autor diante da vida, diante de si mesmo. Ele é, aparentemente, o emissor e o receptor. Parece escrever para si mesmo. è de um lirismo cujas palavras falam o que está escrito. Um texto que nos coloca contra a parede da indecisão, do imobilismo. Muito bom!"
(Professor Clodomir- Presidente da Academia Acreana de Letras)

Comentários

Anônimo disse…
particularmente esse texto, foi o que eu mais amei. escrita pelo poeta que vc e.. admiro suas obras, teu talento não se compra e MT menos se empresta. sucesso na carreira e desejo realizações de seus sonhos. professor Oziel o sr e escolhido no meio de muitos para simplesmente tocar com seus poemas muitos coracoes.. viu. fique com DEUS.

Postagens mais visitadas deste blog

A GENTE PRECISA DE TÃO POUCO PARA SER FELIZ!

Sabe, a gente precisa de tão pouco para ser feliz!
Tão pouco para se sentir amado!
A gente exige tanto do outro, exigimos tanto de nós mesmos.
Tem coisa que não se precisa viver 100 anos para se aprender.
Tem coisas que nunca aprenderemos.
Nem todos iremos à lua, como nem todos são felizes.
Para quê vê-la de perto, tocá-la, pisá-la? Se a lua é tão bonita vista de longe!
Para quê tanto dinheiro? Se a vida acaba em menos de 1 segundo!
A gente tem tantos colegas e tão poucos amigos.
Conhece tantas mulheres, mas só precisa de uma para ser feliz.
Conhece tanto coisa e parece não saber de absolutamente nada...
Sabe, a gente precisa de tão pouco para ser feliz!
Tão pouco para se sentir amado!

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/
P.S.: Sinto que não terminei ainda...

ELE ME DEU SENTIDO QUANDO TUDO PARECIA INSEGURO

Ele deu sentido quando tudo parecia inseguro,
Quando tudo não parecia ter saída.
Ele me fez enxergar muito além dos meus olhos.
Estava só, nu e sem face.
E ele me abraçou com tanto carinho.
Vi meu rosto se molhar de lágrimas.
Pela primeira vez lágrimas verdadeiras, lágrimas com sentido.
Fui ao mais profundo que alguém pode ir e lá estava ele,
Sentado ao meu lado, me olhando como se dissesse:
“Eu ainda estou aqui! Você é meu filho, lembra?”
Nunca entendi o que era esse “tal” que tanto me falaram.
Acho que estava apenas iludido.
Entender o seu amor mudou a minha vida!
Ele me fez entender que não importava o que eu fizesse,
Ele continuaria me amando!
E mesmo que eu quisesse ou pedisse para ele me esquecer,
Ele não conseguiria. Ele havia morrido em meu lugar.
Ele me disse que o que valia não era o que havia vivido
E sim o que ele tinha para eu viver.
Vi meu chão cair, minhas convicções caírem,
E principalmente a minha religiosidade.
Aquela religião que havia vedado meus olhos...
Ele falo…

JÁ NÃO LEMBRO O QUE COMI...

Estou tão no automático,
Que já nem lembro o que comi,
Um viver dinâmico-estático,
O tempo passou e ainda não percebi.

Meu relógio é o mesmo, de 10 anos atrás,
Mas meu maior segredo,
É meu medo de as horas não sabe mais.

Meus minutos, viraram segundos,
Meus dias, viraram horas,
Já chegou o fim do mundo?
Saberemos quem estava certo agora?

Hoje o dia findará,
E não farei nada do que preciso,
Só sei que preciso lembrar,
Que estou aqui e ainda estou vivo.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/