Pular para o conteúdo principal

A GENTE PRECISA DE TÃO POUCO PARA SER FELIZ!


Sabe... A gente precisa de tão pouco para ser feliz!
Tão pouco para se sentir amado!
A vida é deveras simples, mas complicamos tanto.
Exigimos tanto do outro, exigimos tanto de nós mesmos.
Insistimos tanto em errar, mesmo quando ouvimos um conselho de um amigo que dizia que aquele não era o caminho.
Entenda... Tem coisa que não se precisa viver cem anos para se aprender.
E tem coisas que nunca aprenderemos.
Além disso, tem coisas que nunca viveremos.
Nem todos iremos à lua, como nem todos são felizes facilmente.
Para que ver a lua de perto, tocá-la, pisá-la? Se ela é tão bonita vista de longe!
Às vezes a nossa felicidade já está na porta, mas sempre olhamos para aquela que não temos.
Sempre estamos correndo atrás de coisas tão passageiras.
Para que tanto dinheiro? Se a vida acaba em menos de um segundo!
A gente tem tantos colegas e tão poucos amigos.
Conhece tantas mulheres, mas só precisa de uma para ser feliz.
Conhece tanta coisa e parece não saber de absolutamente nada...
A gente precisa de muito pouco para ser feliz! Muito pouco ser amado!

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/
P.S.: Sinto que não terminei ainda... Aliás, reeditei em 24 jun. 2018.

Comentários

Mônica regina disse…
Magnifico!!!!!!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

PARTIDO...

E quando as luzes se apagarem?
E não houver mais ninguém?
Quando as flores murcharem,
Existir mal onde morou o bem?

E quando a música cessar?
Quando a saudade for culpada,
E meu peito apertar?
E aqui não ter mais nada?

E quando não houver mais nem abraço?
E não puder fazer mais nem um pedido?
Daquela pintura não ficou nenhum traço?
E só ficou um coração partido...!

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

ÀS VEZES PARECEMOS TÃO FORTES...

Às vezes tão fortes parecemos, Veem gigantes quando olham para nós, Porém somos os únicos que sabemos, O quanto está entalada nossa voz.
É difícil lágrimas segurar, Quando a dor grita ao ouvido, E a gente quer também gritar, Porque a guerra não aceita feridos.
E quando nos olham, Dizemos que está bem, E nosso rosto não se molha, Porque a dor ensina a fingir também.
Às vezes é aquele abraço, Que desperta nossa dor, E fugimos do carrasco, Daquilo que um dia chamamos de amor.
Às vezes é um sorriso, E um olhar bem mais sincero, É o que mais preciso, E na verdade eu nunca espero.
Não sou tão forte quanto pareço, Sou frágil como porcelana, É que às vezes eu esqueço, Que a si mesmo não se engana...
Autor: Oziel Soares de Albuquerque www.ozielpoeta.blogspot.com/