Pular para o conteúdo principal

QUANDO NOS TORNAMOS TÃO CÉTICOS?



Quando nos tornamos tão céticos?
Desde quando para tudo precisamos de explicação?
Desde qual dia a nossa fé se tornou menos que nossa razão?
Alguém pode me dizer a data? O dia? Qual foi mesmo o mês? O ano?
Será que só eu choro sozinho em casa, ouvindo 10 vezes a mesma canção?
A partir de qual momento nos tornamos tão vazios?
Eu sei o porquê. E na verdade sei que isso é preciso.
Mas, vocês teólogos, doutores respondam-me em qual maldito momento nos tornamos tão terrenos.
Falamos de coisas terrenas. Tornamo-nos aquilo que sempre lutamos contra.
O amor esfriou? Eu sei. Acreditem: sei mais disso que vocês.
Meu coração e alma insistem em arder quando ouço algo relacionado a DEUS.
Diversas vezes estou em uma igreja lotada, mas sinto que está tudo errado.
Não deveria ser assim. Vou continuar sozinho, sentindo saudades de cantarem e eu sentir a presença DELE.
Não quero ouvir esse “louvor” tão medíocre. Se eu que sou pó e cinza, tenho vontade de vomitar, imagine ELE.
Estarei em casa. Ouvindo aquela canção pela 11ª vez, mas não a última.
Não deserdei. Nem tão pouco vou deixar de ir às nossas reuniões. Apesar de ter convicção de que elas não passarão disso.
Estarei em casa. Se alguém me ouvir. Se alguém sentir a mesma coisa. Você não está sozinho.
Não estamos sozinhos.
Procure-me. Vamos chorar, cantar, gritar juntos, como já o fiz com tantos que aqui já não estão.
Seremos perseguidos.
Não importa: ELE foi também...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

Comentários

Anônimo disse…
uau... palavras sinceras e que as vezes me sinto perdida nesse mundo..
up: Luana Brito.

Postagens mais visitadas deste blog

A GENTE PRECISA DE TÃO POUCO PARA SER FELIZ!

Sabe, a gente precisa de tão pouco para ser feliz!
Tão pouco para se sentir amado!
A gente exige tanto do outro, exigimos tanto de nós mesmos.
Tem coisa que não se precisa viver 100 anos para se aprender.
Tem coisas que nunca aprenderemos.
Nem todos iremos à lua, como nem todos são felizes.
Para quê vê-la de perto, tocá-la, pisá-la? Se a lua é tão bonita vista de longe!
Para quê tanto dinheiro? Se a vida acaba em menos de 1 segundo!
A gente tem tantos colegas e tão poucos amigos.
Conhece tantas mulheres, mas só precisa de uma para ser feliz.
Conhece tanto coisa e parece não saber de absolutamente nada...
Sabe, a gente precisa de tão pouco para ser feliz!
Tão pouco para se sentir amado!

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/
P.S.: Sinto que não terminei ainda...

COTIDIANO...

Estamos jogando nossas horas fora,
Nossa vida fora,
Trocamos amor por poucos centavos.
Vendemos nossa saúde para comprar remédio,
Vendemos a vida,
Para comprar a fuga da morte.
Estamos apressados para ir deixar nossos filhos na escola,
Queremos chegar cedo no trabalho,
Fugimos do trânsito,
Nossos ouvidos não querem ouvir mais música,
Querem o silêncio.
Tomamos tantos comprimidos que eles já nem fazem efeito.
Estamos jogando nossa vida fora,
Pois isso que fazemos não é viver.
Não tomamos mais banho de chuva para não adoecermos,
Mas fazemos hora exata e trabalhamos mais do que deveríamos,
Porque se adoecermos temos como pagar.
Pagaremos outra vida?
Outra chance?
A vida tem um botão para reiniciar?

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

JÁ NÃO LEMBRO O QUE COMI...

Estou tão no automático,
Que já nem lembro o que comi,
Um viver dinâmico-estático,
O tempo passou e ainda não percebi.

Meu relógio é o mesmo, de 10 anos atrás,
Mas meu maior segredo,
É meu medo de as horas não sabe mais.

Meus minutos, viraram segundos,
Meus dias, viraram horas,
Já chegou o fim do mundo?
Saberemos quem estava certo agora?

Hoje o dia findará,
E não farei nada do que preciso,
Só sei que preciso lembrar,
Que estou aqui e ainda estou vivo.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/