Pular para o conteúdo principal

MENINA...

(Sobre as tantas histórias de meninas que ouço toda manhã e toda tarde. E suas lágrimas...)

Vejo você, menina,
Enganando-se assim, sozinha!
Por que acreditas ainda?
E és como uma ferida minha?

Por que, menina, insistes,
Em fazer desse jeito?
E sempre estais tão triste,
Embora sempre por ti oro quando deito.

É tão difícil, menina mulher,
Deixar tudo pra lá?
Esquecer o que se quer,
Ou tanto, tanto se machucar?

Menina, ouça o que digo,
Não desista, siga em frente,
Busca em Deus o teu abrigo,
E não se entregue a essa gente.

Ei, menina perdida,
Não desista assim agora,
Existe sim uma saída,
Não vá! Não! Não vá embora!

Menina, podes me ouvir?
Só siga minha voz,
Estamos a esperar por ti,
Deus, a vida, todos nós.

Corre, menina criança,
Não existe tanto tempo,
Não perca a esperança,
De arrancar tudo aí de dentro.

Menina, é bem verdade,
Que é difícil e complicado,
Mas abraçarás a felicidade,
E deixarás todo esse teu fardo.

Menina, eu quisera,
Escrever talvez um livro,
E te ensinar a trazer a primavera,
Contudo de tempo eu preciso.

Menina, eu encerro,
E assino sua história,
Talvez nas palavras tanto erro,
Mas quando termino, seu presente virou história.

Esse é meu desejo, menina,
Mudar tudo o que você fez,
Porém está tudo igual ainda,
Só que um dia, sofrerás pela última vez.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

Comentários

Anônimo disse…
Maravilhoso! a caneta que pegas, não e apenas uma caneta, onde ira por imaginações, pensamentos, ou ate inspirações. A unica verdade e que mesmo sem entender ou perceber, flui palavras que consegue ministrar na vida de alguém.

#Meuorgulho

rs!

Postagens mais visitadas deste blog

A GENTE PRECISA DE TÃO POUCO PARA SER FELIZ!

Sabe, a gente precisa de tão pouco para ser feliz!
Tão pouco para se sentir amado!
A gente exige tanto do outro, exigimos tanto de nós mesmos.
Tem coisa que não se precisa viver 100 anos para se aprender.
Tem coisas que nunca aprenderemos.
Nem todos iremos à lua, como nem todos são felizes.
Para quê vê-la de perto, tocá-la, pisá-la? Se a lua é tão bonita vista de longe!
Para quê tanto dinheiro? Se a vida acaba em menos de 1 segundo!
A gente tem tantos colegas e tão poucos amigos.
Conhece tantas mulheres, mas só precisa de uma para ser feliz.
Conhece tanto coisa e parece não saber de absolutamente nada...
Sabe, a gente precisa de tão pouco para ser feliz!
Tão pouco para se sentir amado!

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/
P.S.: Sinto que não terminei ainda...

DE NÓS, NÃO DESISTA...

Quando você me conheceu,
Claro que não viu meus defeitos,
Com o tempo entendeu,
Que eu não sou perfeito.

Às vezes raiva sinto,
Outras até elevo a voz,
Sofro, não minto,
Quando há algo ruim entre nós.

Já dormimos brigados,
Já pensamos em desistir,
Reconhecemos que estávamos errados,
Quantas vezes perdão tive que pedir.

O medo já bateu à porta,
A dúvida também,
Mas com o tempo nada importa,
Pois quase sempre estamos bem.

Somos tão diferentes,
Meu mundo é maluco,
Já ficamos doentes,
Já colhemos tantos frutos.

Não é fácil como parece,
É dirigir em perigosa pista,
Como alguém que nem lhe merece,
Peço, de nós, não desista.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

ELE ME DEU SENTIDO QUANDO TUDO PARECIA INSEGURO

Ele deu sentido quando tudo parecia inseguro,
Quando tudo não parecia ter saída.
Ele me fez enxergar muito além dos meus olhos.
Estava só, nu e sem face.
E ele me abraçou com tanto carinho.
Vi meu rosto se molhar de lágrimas.
Pela primeira vez lágrimas verdadeiras, lágrimas com sentido.
Fui ao mais profundo que alguém pode ir e lá estava ele,
Sentado ao meu lado, me olhando como se dissesse:
“Eu ainda estou aqui! Você é meu filho, lembra?”
Nunca entendi o que era esse “tal” que tanto me falaram.
Acho que estava apenas iludido.
Entender o seu amor mudou a minha vida!
Ele me fez entender que não importava o que eu fizesse,
Ele continuaria me amando!
E mesmo que eu quisesse ou pedisse para ele me esquecer,
Ele não conseguiria. Ele havia morrido em meu lugar.
Ele me disse que o que valia não era o que havia vivido
E sim o que ele tinha para eu viver.
Vi meu chão cair, minhas convicções caírem,
E principalmente a minha religiosidade.
Aquela religião que havia vedado meus olhos...
Ele falo…