sábado, 17 de junho de 2017

MINHAS VIAGENS...

Para onde mais longe fui,
Nunca precisei sair do lugar,
Onde nada me exclui,
De onde ninguém pode me magoar.

Minhas maiores viagens,
As mais perfeitas que já fiz,
Talvez foram só miragens,
Mas lá descobri o que é ser feliz.

Não terei tempo,
De ir a tantos "cantos",
Não viverei tantos momentos,
Embora eu deseje tanto.

Só sei que vivo o aqui,
Alguém já disse que o que importa é agora,
Não importa onde podemos ir,
Ou onde estaremos daqui a poucas horas.

Minhas viagens mais perfeitas,
Foram a lugares que não existem,
Lá maldades não são feitas,
Não há dor, nem pessoas tristes.

Sempre serei um viajante,
A lugares diferentes,
A um lugar tão, tão distante,
Que não cabe no mundo da gente...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

segunda-feira, 5 de junho de 2017

UM DIA SEREMOS IGUAIS A VOCÊ...

(Para Karoliny Andrade de Oliveira, por seu aniversário dia 03 de junho de 2017)
Um dia, todos entenderemos o propósito da vida. Nesse dia, faremos dela algo muito maior.
Um dia teremos um mesmo coração. Nele baterá forte o desejo de fazer algo mais.
Um dia dormiremos em nossas camas, lembrando daqueles que não têm onde recostar suas cabeças. Festejaremos após ter levado pão àqueles que passavam fome.
Um dia não desistiremos dos nossos sonhos. Entenderemos que a concretização deles mudará a vida de muita gente.
Um dia choraremos com nossa impotência ante as enfermidades do corpo.
Um dia vamos desejar que o amanhã seja melhor. Sonharemos os sonhos dos outros, por que no fundo nosso sonho é realizar sonhos.
Um dia seremos fada, anjo, gênio da lâmpada e quase um deus para quem precisar.
Um dia teremos esse coração.
Nesse dia, seremos iguais a você...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

quinta-feira, 1 de junho de 2017

SEMPRE...


Sempre fazendo a coisa errada,
Sempre fazendo o que não devia,
Sempre quebrando a cara,
E outra vez a procura de alegria.

Outra vez mentindo,
Outra vez sorrindo sem querer,
Outra vez quase desistindo,
E quase sempre sem me entender.

Quase sempre fazendo o que os outros querem,
Quase sempre sendo a mesma marionete,
Quase sempre amando quem tanto me fere,
Sempre achando que em mim não há nada que preste.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

sábado, 1 de abril de 2017

UMA LEMBRANÇA NA ESTANTE ("Nada será tão importante")

Eu já vi a morte de frente,
E ela até sorriu,
Esperava que ela dissesse: Venha, entre!
Porém, aos poucos ela fugiu.

Solidão, a minha amiga,
A mim nunca deixou,
Permaneceu como uma ferida,
E outra vez me abraçou.

Olhei para trás,
E tudo parecia tão distante,
Pois quando a gente pensa que pode ir um pouco mais,
Não deveria ir mais adiante.

Marquei meu corpo,
Com marcas que na minha alma haviam,
Cortei os braços, para alguns sou louco,
É por que não sabem o que eu sentia.

A loucura?
Ela um dia me beijou,
Como uma velha amante imatura,
Não imaginas quanto tempo ela ficou.

Porém um dia,
"Nada será tão importante",
Porque aquilo que eu sofria,
Será uma lembrança na estante.

Levarei sempre comigo,
Aquela mesma cicatriz,
E ninguém saberá com o que lido,
E o quanto às vezes, hoje, finjo ser feliz.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

JÁ CAMINHEI TANTO, PAI...

Meus pés estão tão cansados,
Sinto que minhas pernas não respondem mais,
Caminhei tanto e levei tantos fardos,
Já caminhei tanto, Pai.

Corri corridas que não devia,
Andei em estradas que ninguém mais foi,
Passo a passo, até a noite torna-se dia,
E nunca sabia como voltar depois.

Já te procurei em tantas igrejas de fachada,
E minha vida tem sido essa procura,
Mas Pai, eu já sei mais nada,
Só sei que minha caminhada tem sido tão dura.

Pai, o Senhor viu quantos me feriram?
E que aos poucos levantei do chão,
Por que todos depois partiram,
A tantos outros ferirão?

Já nem sei há quanto tempo,
Estou caminhando assim tão só,
E toda dor e meu tormento,
Sei que um dia me fará melhor.

Pai, de novo sem forças estou,
Faz tanto tempo, não é?
Andei tanto em busca desse teu amor,
Que nem estavam comigo a Força e a Fé.

Mas sigo aqui em frente,
Sempre, sempre em tua direção,
E embora batam tanto na gente,
Pai, não voltarei atrás mais não...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

domingo, 8 de janeiro de 2017

DE NÓS, NÃO DESISTA...

Quando você me conheceu,
Claro que não viu meus defeitos,
Com o tempo entendeu,
Que eu não sou perfeito.

Às vezes raiva sinto,
Outras até elevo a voz,
Sofro, não minto,
Quando há algo ruim entre nós.

Já dormimos brigados,
Já pensamos em desistir,
Reconhecemos que estávamos errados,
Quantas vezes perdão tive que pedir.

O medo já bateu à porta,
A dúvida também,
Mas com o tempo nada importa,
Pois quase sempre estamos bem.

Somos tão diferentes,
Meu mundo é maluco,
Já ficamos doentes,
Já colhemos tantos frutos.

Não é fácil como parece,
É dirigir em perigosa pista,
Como alguém que nem lhe merece,
Peço, de nós, não desista.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/