terça-feira, 17 de janeiro de 2017

JÁ CAMINHEI TANTO, PAI...

Meus pés estão tão cansados,
Sinto que minhas pernas não respondem mais,
Caminhei tanto e levei tantos fardos,
Já caminhei tanto, Pai.

Corri corridas que não devia,
Andei em estradas que ninguém mais foi,
Passo a passo, até a noite torna-se dia,
E nunca sabia como voltar depois.

Já te procurei em tantas igrejas de fachada,
E minha vida tem sido essa procura,
Mas Pai, eu já sei mais nada,
Só sei que minha caminhada tem sido tão dura.

Pai, o Senhor viu quantos me feriram?
E que aos poucos levantei do chão,
Por que todos depois partiram,
A tantos outros ferirão?

Já nem sei há quanto tempo,
Estou caminhando assim tão só,
E toda dor e meu tormento,
Sei que um dia me fará melhor.

Pai, de novo sem forças estou,
Faz tanto tempo, não é?
Andei tanto em busca desse teu amor,
Que nem estavam comigo a Força e a Fé.

Mas sigo aqui em frente,
Sempre, sempre em tua direção,
E embora batam tanto na gente,
Pai, não voltarei atrás mais não...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

domingo, 8 de janeiro de 2017

DE NÓS, NÃO DESISTA...

Quando você me conheceu,
Claro que não viu meus defeitos,
Com o tempo entendeu,
Que eu não sou perfeito.

Às vezes raiva sinto,
Outras até elevo a voz,
Sofro, não minto,
Quando há algo ruim entre nós.

Já dormimos brigados,
Já pensamos em desistir,
Reconhecemos que estávamos errados,
Quantas vezes perdão tive que pedir.

O medo já bateu à porta,
A dúvida também,
Mas com o tempo nada importa,
Pois quase sempre estamos bem.

Somos tão diferentes,
Meu mundo é maluco,
Já ficamos doentes,
Já colhemos tantos frutos.

Não é fácil como parece,
É dirigir em perigosa pista,
Como alguém que nem lhe merece,
Peço, de nós, não desista.

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/