quarta-feira, 12 de maio de 2010

EM PROL (VERBOS), PROVÉRBIOS OU HISTÓRIAS SEM ENREDO...


CANTO uma canção qualquer,
Quem sabe, já tão cantada por essa gente,
A verdade é que nem sei o que é,
Um grito, choro ou só repentes.

CHORO um pranto tão profundo,
Pois a vida me parece nada,
Estão destruindo o mundo,
Sonhos? Só em contos de fadas.

SONHO com aquele dia,
Que ainda nem vivi,
Onde a dor será alegria,
Alcançarei o que sempre pedi.

PEÇO por toda essa humanidade,
Cuide das nossas crianças,
E se hoje não há felicidade,
Quero apenas esperança.

QUERO acordar amanhã,
E ainda ser bem cedo,
Pra falar qualquer palavra vã,
Que me faça não ter nenhum segredo.

FAÇO agora um pedido,
Cuidem do meu país,
De valores já perdidos,
De gente que ama e é feliz.

AMO os sorrisos e abraços,
Alguns que já nem existem,
Perdidos entre os passos,
De quem caminha só e triste.

CAMINHO rumo àquela luz,
Que brilha na aurora,
Estarei seguro com Jesus,
Quando este meu grito for embora.

Grito um pedido, um lamento,
Aquilo que não posso segurar,
Que está aqui dentro,
E escrevo pra quem sabe, libertar.

ESCREVO uma canção e um pranto,
Um sonho, um pedido, e um segredo,
Por aqueles que perderam seu canto,
Por aqueles que não perderam o medo,
Escrevo em prol de tantos,
Que são histórias sem enredo...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

Um comentário:

Luana Brito disse...

Parabéns!
Muito Bom!