quarta-feira, 13 de abril de 2016

QUANTOS?


Quantos "eu te amo" já não foram ditos?
E quantos foram realmente sinceros?
Quantos abraços eram malditos?
E os "até logo" que eu já nem espero?

Quantas palavras bonitas,
Sussurradas ao "pé do ouvido"?
Quantas "promessas eternas" finitas?
E tantos pedaços de um "coração partido".

Quantos "brincaram"?
Sem nem saber quem são?
"Crianças" que só se mascararam,
E não voltaram para pedir perdão?

Quantos beijos tão "quentes"?
E que pareciam "de verdade"?
Que "mexiam" com a gente,
E nos faziam achar que aquilo era felicidade.

Quantos "sonhos" a dois,
Que na verdade eram só meu,
É possível em tão pouco depois,
Que aquele encanto se perdeu?

Quantos? Me diz?
Que eu nem consigo contar?
Que acham que descobriram o que é ser feliz?
E não entendem nadado que é amar?

Quantos pedidos de desculpa,
Que eram da boca para fora?
Que na verdade não mudaram nunca,
E que não consigo contar agora?

Algo existiu?
Realmente vivemos aquilo?
E meus pensamentos mil,
Não me deixam ficar tranquilo.

Não que os números faça diferença,
Só queria contar nos dedos,
A quantidade é tão imensa?
Tão grande quanto meus próprios medos?

Quantos vão te ouvir?
E também irão tentar?
Enumerar tudo isso aqui?
E outra vez "se" enganar?

Não me diga nada,
Nem olhe para mim,
Porque a palavra "só falada",
Não é tão importante assim...

Autor: Oziel Soares de Albuquerque
www.ozielpoeta.blogspot.com/

Um comentário:

Anônimo disse...

rsrs. cada postagem sua e simplesmente sem palavras a serem comentadas.

simplesmente um 'PARABENS' SERIA E É POUCO DE MAIS..

'